E depois de um ano recheado com váarias resenhas é hora de escolher os três favoritos!
Memórias de uma Gueixa: É
um romance fascinante, para ser lido de várias maneiras: como um
mergulho na tradicional cultura japonesa, ou um romance sobre a
sexualidade, e ainda, como uma descrição minuciosa da alma de uma mulher
já apresentada por um homem.
Seu relato tem início numa vila
pobre de pescadores, em 1929, onde a menina de nove anos é tirada de
casa e vendida como escrava. Pouco a pouco, vamos acompanhar sua
transformação pelas artes da dança e da música, do vestuário e da
maquilagem; e a educação para detalhes como a maneira de servir saquê
revelando apenas um ponto do lado interno do pulso – armas e mais armas
para as batalhas pela atenção dos homens. Mas a Segunda Guerra Mundial
força o fechamento das casas de gueixas e Sayuri vê-se forçada a se
reinventar em outros termos, em outras paisagens.

Amaldiçoado: Ignatius Perrish sempre foi um homem bom. Tinha uma família unida e
privilegiada, um irmão que era seu grande companheiro, um amigo
inseparável e, muito cedo, conheceu Merrin, o amor de sua vida.

Até
que uma tragédia põe fim a toda essa felicidade: Merrin é estuprada e
morta e ele passa a ser o principal suspeito. Embora não haja evidências
que o incriminem, também não há nada que prove sua inocência. Todos na
cidade acreditam que ele é um monstro.
Um ano depois, Ig acorda
de uma bebedeira com uma dor de cabeça infernal e chifres crescendo em
suas têmporas. Descobre também algo assustador: ao vê-lo, as pessoas não
reagem com espanto e horror, como seria de esperar. Em vez disso,
entram numa espécie de transe e revelam seus pecados mais
inconfessáveis.
Um médico, o padre, seus pais e até sua querida
avó, ninguém está imune a Ig. E todos estão contra ele. Porém, a mais
dolorosa das confissões é a de seu irmão, que sempre soube quem era o
assassino de Merrin, mas não podia contar a verdade. Até agora.
Sozinho,
sem ter aonde ir ou a quem recorrer, Ig vai descobrir que, quando as
pessoas que você ama lhe viram as costas e sua vida se torna um inferno,
ser o diabo não é tão mau assim.
Neuromancer: Um
ano ali e ele ainda sonhava com o ciberespaço, a esperança morrendo um
pouco a cada noite. Todo o speed que tomou, todas as voltas que deu e as
esquinas de Night City por onde passou, e ainda assim ele via a matrix
em seu sono, grades brilhantes de lógica se desdobrando sobre aquele
vácuo sem cor… O Sprawl ficava agora a um longo e estranho caminho de
distância sobre o Pacífico, e ele não era mais nenhum cara do console,
nenhum cowboy de ciberespaço. Apenas mais um marginal na viração. Mas os
sonhos apareciam na noite japonesa como figuras de vudu
eletroluminescente, e ele gritava, chorava dormindo, e acordava sozinho
no escuro, curvado em posição fetal em sua cápsula em algum
hotel-caixão, as mãos trincadas no colchonete, a espuma sintética
enroscada entre os dedos, tentando alcançar o console que não estava lá.

Já os passeios favoritos do ano foram pro Sana, pra feira Mundiart e para Aquiraz
Outras das coisas que mais comemorei esse ano foi finalmente sair do sedentarismo, ainda não sou daquelas pessoas super saudáveis que só comem bem etc, mas estou caminhando para isso hahaha e junto dessa mudança também veio outra, a de estudar Jornalismo, meu maior sonho, meti as caras, peguei financiamento pelo Fies e agora estou em um curso que me faz muito feliz.
Categories: Uncategorized

4 Comments

Resuminho de 2015 Melhores Livros, Passeios e Saúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *