Titulo: A Linguagem das Flores / Autora:  Vanessa Diffenbaugh / Editora: Arqueiro / Ano: 2011 / Páginas: 282 / Nota: 5/5

Sinopse: Victoria Jones sempre foi uma menina arredia, temperamental e
carrancuda. Por causa de sua personalidade difícil, passou a vida sendo
jogada de um abrigo para outro, de uma família para outra, até ser
considerada inapta para adoção.
Ainda criança, se apaixonou pelas
flores e por suas mensagens secretas. Quem lhe ensinou tudo sobre o
assunto foi Elizabeth, uma de suas mães adotivas, a única que a menina
amou e com quem quis ficar… até pôr tudo a perder.
Agora, aos
18 anos e emancipada, ela não tem para onde ir nem com quem contar.
Sozinha, passa as noites numa praça pública, onde cultiva um pequeno
jardim particular.
Quando uma florista local lhe dá um emprego e
descobre seu talento, a vida de Victoria parece prestes a entrar nos
eixos. Mas então ela conhece um misterioso vendedor do mercado de flores
e esse encontro a obriga a enfrentar os fantasmas que a assombram.
Em
seu livro de estreia, Vanessa Diffenbaugh cria uma heroína intensa e
inesquecível. Misturando passado e presente num intricado quebra-cabeça,
A linguagem das flores é essencialmente uma história de amor – entre
mãe e filha, entre homem e mulher e, sobretudo, de amor-próprio.
“A linguagem das flores surgiu na era vitoriana, quando as pessoas se
comunicavam por meio das flores para expressar seus sentimentos”.

Nossa protagonista, Victoria, já passou por várias famílias adotivas, nunca conseguiu se adaptar e isso sempre mexeu com a garota, e isso acabou por transformar ela em um “escudo” se fechava, não deixava que as pessoas se aproximassem, não queria ser próxima de ninguém, iria usar esse escudo como defesa, para não sofrer mais. A história começa mais ou menos quando Victoria é encaminha a sua “ultima chance” seria a ultima oportunidade de adoção dela, a garota já tinha seus dez anos.
Entretanto muitas coisas acontecem, e você vê Victoria já com seus 18 anos saindo de uma casa de reclusão, do seu passado ela apenas guarda as lembranças da linguagem das flores que sua ultima mãe adotiva lhe ensinou. Após viver uma vida regada a rejeição por parte de todas as pessoas que
um dia juraram a proteger e amar, Victoria desenvolve uma rejeição a
qualquer tipo de relação com outras pessoas, incluindo o toque em sua
pele, que traz uma sensação de queimação seguida por uma onda de vômito
incontrolável.
“Durante oito anos, sonhei com fogo. Árvores se incendiavam quando eu
passava por elas, oceanos ardiam em chamas. A fumaça adocicada
impregnava meus cabelos enquanto eu dormia e, quando eu despertava, o
aroma permanecia em meu travesseiro como uma nuvem.” 

A vida dela se tornou rejeitar as pessoas a sua volta,reclusa, evitando até expressar seus sentimentos, o livro inteiro é dedicado a personagem, então devo dizer que a evolução dela é impecável, vivemos cada fase da vida dela, assistimos as mudanças de Victoria, e isso dá um apego emocional com a personagem.

“[…]Você tem que querer. Você tem que querer ser uma filha, uma irmã,
uma amiga, uma estudante, repetira ela à exaustão. Eu nunca quisera
nenhuma dessas coisas e as promessas, ameaças ou subornos de Meredith
nunca haviam mudado minha convicção. Mas, de repente, eu soube que
queria ser florista. Queria passar minha vida escolhendo flores para
desconhecidos, meus dias oscilando entre o frio da câmara frigorífica e o
barulho da gaveta da registradora.”

Recebi a segunda edição do livro, na minha opinião a capa é maravilhosa, a historia é muito tocante e se você realmente imergir no livro, consegue se conectar a personagem. O livro é narrado em primeira pessoa, sob o ponto de vista da Victoria, dessa forma você consegue entender ainda melhor os sentimentos conturbados da personagem. Demorei a curtir a historia, mas do meio pro fim minha paixão foi crescendo a cada página.
Super recomendo a leitura, é leve, bem escrita, e muito bem trabalhada, espero que a linguagem das flores toque o coração de vocês e assim como eu, também aprendam o que cada flor consegue comunicar, sério é muito interessante, vou até fazer um estudo aprofundado sobre essa linguagem a tanto tempo utilizada, no mais é isso, tentei não dar spoilers, falar apenas o suficiente sobre o que acontece na historia, para não estragar o final para vocês.

“O mundo seguia seu ritmo frenético, indiferente à bebê que chorava a
seis quarteirões dali, à bebê que eu tinha dado à luz mas cujos gritos
já não ouvia mais… O fato de minha vida ter virado de cabeça para
baixo não importava a ninguém e, ali fora, naquela calçada, longe da
fonte do tumulto, meu pânico pareceu injustificável.”
Categories: Uncategorized

3 Comments

[ Livro ] A Linguagem das Flores – Vanessa Diffenbaugh

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *