Sinopse: Inglaterra, 1583: o país enfrenta um período
conturbado, marcado por conspirações para derrubar a rainha Elizabeth,
que é protestante. Muitos de seus súditos estão insatisfeitos com o
governo e anseiam pelo retorno do país à religião católica. Em meio a
esse clima de conflitos religiosos, o monge italiano Giordano Bruno
chega a Londres, tentando escapar da Inquisição, que o acusou de heresia
por sua crença num Universo heliocêntrico. O filósofo, cientista e
estudioso de magia logo é recrutado pelo chefe do serviço de espionagem
real e enviado a Oxford.
Oficialmente, ele vai
participar de um debate sobre as teorias de Copérnico, mas, em sigilo,
deve se infiltrar na rede clandestina dos católicos e descobrir o que
puder sobre um complô para derrubar a rainha. No entanto, quando um dos
membros mais antigos de Oxford é brutalmente assassinado, a missão
secreta do filósofo é desviada de seu curso.
Enquanto
ele tenta desvendar o crime, outro homem é morto e Giordano Bruno se vê
envolvido numa sinistra perseguição. Alguém parece estar determinado a
executar uma sofisticada vingança em nome da religião. Mas, afinal, de
qual religião?
À procura de pistas, o monge
percorre os labirintos da biblioteca de Oxford e visita tabernas infames
e livrarias misteriosas fora dos muros da universidade, chegando a
lugares que ele nunca soube que existiam e fazendo descobertas que
poderiam ameaçar a estabilidade da Inglaterra.
Envolvido
em uma rede de intrigas e traição, ele percebe que às vezes nem mesmo
os mais sábios conseguem discernir a verdade da heresia. Alguns, no
entanto, estão dispostos a matar para defender suas crenças.

Um livro histórico, cheio de tensão mas sem os detalhes maçantes que tanto dificultam esse tipo de leitura, esse é o primeiro ponto positivo de Heresia.
Cada capitulo começa com uma espécie de “gatilho” coisa que me deixa louca para saber o que aconteceu ou o que levou aquele acontecimento. E esses eventos meio que são intermináveis, acaba um, logo já vêm outro para te prender.

“… E então seria condenado à fogueira por heresia. Eu tinha 28 anos e
não queria morrer. Não me restava alternativa senão fugir.”

A narrativa em primeira pessoa nos apresenta um personagem humilde, de bom
coração e boa índole, mas com um grande senso de dever, uma curiosidade
e “descaramento” que beiram a estupidez (coisa que a gente percebe bem no inicio, tipo, na primeira página), mas que além de tudo é muito inteligente e perspicaz. É um personagem humano, tal como a tendência ao erro nos levam a criar um
certo vínculo com ele e torcer para que tudo corra bem durante os
perigos constantes.

“Ainda me atrevo a esperar pelo dia em que as pessoas serão julgadas por
seu caráter e suas realizações, não por seu sobrenome paterno.”

O livro em si é muito interessante, nunca tinha lido nada do gênero e acho que foi uma boa leitura para iniciar. A autora
conseguiu ambientar a história em uma época distante com maestria,
viajamos no tempo e conseguimos imaginar todo o ambiente com as
descrições da autora.Então, recomendo sim! Qual será minha próxima leitura? me indiquem ai!

Categories: Uncategorized

3 Comments

[ Livro ] Heresia – S.K Parris

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *